Dr Luiz Moura: Auto hemoterapia cura doenças e aumenta a imunidade

autohemoterapia dr luiz moura

Estudada e divulgada pelo Dr. Luiz Moura, a auto hemoterapia consiste na retirada e reaplicação do sangue do paciente no músculo, uma técnica de muito sucesso no tratamento de doenças

auto hemoterapia sistema imunologico

Fortalecer o sistema imunológico, aumentar a imunidade e curar doenças têm sido o desejo de muitos em épocas de epidemias como, recentemente, a febre amarela. Mas, e se uma técnica simples, antiga e eficaz, fosse a solução? Defendida pelo Dr. Luiz Moura, proeminente médico brasileiro em atividade nos anos 80, a auto hemoterapia é um tratamento que estimula a propagação de macrófagos, células que circulam pelo corpo inteiro com o objetivo de encontrar e remover elementos indesejáveis do organismo.

A auto hemoterapia consiste na remoção do sangue do paciente a partir de suas veias. Em seguida, o mesmo sangue é injetado de volta ao corpo dentro do tecido muscular.  O volume retirado depende da gravidade da doença que será tratada, variando de 5 ml a 20ml.

Como a auto hemoterapia funciona

Segundo o artigo “Auto Hemoterapia”, assinado pelo Dr. Luiz, Moura, ao entrar em contato com o músculo (tecido extra-vascular), o sangue, que é tecido orgânico, acaba desencadeando uma cadeia de rejeição que estimula o Sistema Retículo Endotelial.

Constituído por células e também conhecido como SRE, esse sistema atua em diferentes locais do organismo, intervindo na formação do sistema sanguíneo e do metabolismo. Outra função do Sistema Retículo Endotelial é desempenhar funções de defesa contra infecções generalizadas. Nele, a medula óssea age produzindo mais monócitos que colonizam os tecidos orgânicos, tornando-se então os macrófagos.

autohemoterapia dr luiz moura

Auto-hemoterapia na prática

A contagem dos macrófagos antes da aplicação do sangue gira em torno de 5%. Essa taxa sobe após a aplicação, chegando a 22% após oito horas da realização da auto-hemoterapia. Durante cerca de cinco dias, o número permanece entre 20 e 22%, voltando aos 5% depois de uma semana da aplicação do procedimento. Quando não há sangue no músculo, a taxa volta aos 5%.

Os macrófagos, quadruplicados pela auto-hemoterapia, combatem doenças infecciosas, alérgicas, corpos estranhos como cistos ovarianos, miomas e problemas auto-imunes. Esses estados patológicos foram vencidos ou ao menos abrandados com o procedimento realizado pelo Dr. Luiz Moura desde 1943.

Frequentemente, a auto-hemoterapia tem sido utilizada como tratamento complementar para a depressão, cancro, asma, bronquite e outras complicações de saúde de longo prazo. De acordo com o Dr. Luiz Moura, a terapia é capaz de tratar doenças virais e infecciosas. Seu uso costuma ser mais difundido para o tratamento da acne; porém, ela também é usada para tratar de problemas como rinite, bronquite, hipertensão e artrite, entre outras.

A história da auto hemoterapia

Definida como método terapêutico desde 1912 pelo médico francês Paul Revaut, a auto hemoterapia aparece na história da Medicina desde 1831. Na época, o Jornal de Medicina e Cirurgia Prática noticiava que o médico italiano M. Mansizio usava sangrias e sanguessugas para o procedimento, que tratava disenterias.

Em 1938, a auto hemoterapia voltou a ser utilizada – na época, os antibióticos ainda não estavam disponíveis. A falta de recursos levou o médico francês Gaston de Lyon a sugerir que um paciente injetasse o seu próprio sangue em um membro machucado para evitar sua amputação. O tratamento gerou alguns resultados e se popularizou pela Europa até a década de 50, quando começou a perder espaço com a introdução de novas drogas antimicrobianas.

No Brasil, a auto hemoterapia vem sido aplicada pelo Dr. Luiz Moura desde o tempo em que o médico era um estudante de medicina, no início dos anos 40. Aluno da Faculdade Nacional de Medicina, Moura aprendeu a técnica com o seu pai, professor da instituição e cirurgião-geral que aplicava a auto-hemoterapia nos pacientes em que operava.

Segundo relato do Dr. Luiz Moura, nenhum dos pacientes teve complicações e o procedimento feito pelo seu pai apresentou uma das menores taxas de infecção hospitalar já vistas até hoje.

Dr. Luiz Moura, auto-hemoterapia e suas teorias

As técnicas aplicadas pelo médico e por seu pai eram baseadas nos trabalhos do professor Jesse Teixeira, desenvolvido exclusivamente para o tratamento de infecções pós-operatórias com enormes taxas de sucesso. Após se formar, o Dr. Luiz Moura continuou a aplicar a auto hemoterapia apenas em casos de acne juvenil e em dermatoses de fundo alérgico.

Desde os anos 70, o Dr. Luiz Moura voltou a usar a autohemoterapia em seus pacientes, o que originou novos estudos sobre o assunto. Após testes e novas aplicações, a técnica também passou a ser aplicada em casos de alergia com excelentes resultados, divulgados pelo médico.

Com a disseminação de um vídeo do Dr. Luiz Moura em 2004, com diversas explicações e uma entrevista sobre a auto hemoterapia, o assunto voltou à mídia no Brasil. O tema causa controvérsia entre a classe médica: há quem defenda e quem condene a prática, enquanto seus defensores afirmam que o boicote existe por conta de seu baixo custo e fácil acesso, que seria negativo para as grandes indústrias farmacêuticos.

Hoje, a autohemoterapia é usada em diversos países além do Brasil, principalmente na França, Alemanha, Portugal, México, Rússia, Argentina, Estados Unidos, Bélgica, Itália, Suíça, Angola, Cabo Verde, Austrália, Bulgária, Japão e Reino Unido.

Falecido em 2016, aos 91 anos de idade, além da auto hemoterapia, o Dr. Luiz Moura também ajudou a disseminar outras teorias como a Caixa Orgônica de Wilhelm Reich capaz de captar e distribuir a energia orgone pelo corpo. Amante da natureza e curioso, o Dr. Luiz Moura divulgou e utilizou as técnicas de Wilheim Reich desde os anos 80 na região de Visconde de Mauá.

Dr. Luiz Moura em defesa da Caixa Orgônica

Segundo o Dr. Luiz Moura e Reich, tudo é feito de energia no mundo. Vinda do cosmos, essa energia se apresenta em diferentes concentrações, podendo ser positiva ou negativa e acumulada pelo corpo. Na água corrente e em lugares altos, como Mauá, essa energia é ainda mais abundante.

Quando o corpo adoece ou passa por situações de estresse, a energia se desorganiza e se acumula em determinados pontos, o que ocasiona as doenças. Todas as teorias de Reich, que era cientista, foram provadas em um laboratório, e disseminadas por palestras e atuações medicinais do Dr. Luiz Moura no Brasil.

Em 1938, a auto hemoterapia voltou a ser utilizada – na época, os antibióticos ainda não estavam disponíveis. A falta de recursos levou o médico francês Gaston de Lyon a sugerir que um paciente injetasse o seu próprio sangue em um membro machucado para evitar sua amputação. O tratamento gerou alguns resultados e se popularizou pela Europa até a década de 50, quando começou a perder espaço com a introdução de novas drogas antimicrobianas.

No Brasil, a auto hemoterapia vem sido aplicada pelo Dr. Luiz Moura desde o tempo em que o médico era um estudante de medicina, no início dos anos 40. Aluno da Faculdade Nacional de Medicina, Moura aprendeu a técnica com o seu pai, professor da instituição e cirurgião-geral que aplicava a auto-hemoterapia nos pacientes em que operava.

Segundo o Dr. Luiz Moura, nenhum dos pacientes teve complicações e o procedimento feito pelo seu pai apresentou uma das menores taxas de infecção hospitalar já vistas até hoje.

Seja o primeiro a avaliar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Me chame no WhatsApp